8 Growth Hacks para Testar Rápido e Acelerar as Vendas de Qualquer Negócio

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

5 (100%) 1 vote[s]

Como usar Growth Hacks para Testar e acelerar as vendas de qualquer modelo de negócio:

Estamos cansados de saber que os negócios digitais são a bola da vez, e que é precisa testar rápido para acelerar as vendas.

E a concorrência é a “copa da vez”.

Tem muito empreendedor bom desistindo com medo de não conseguir se diferenciar.

Se para todo lado tem um milhão de treinamentos e workshops gratuitos, como eu diferencio minha estratégia digital de quem está estudando esses materiais?

A provável luz no fim do túnel:

O Growth Hacking como teste para acelerar vendas.

Growth hacking é diferente de Marketing Digital tradicional.

Não nas técnicas e ferramentas de atração de clientes, mas sim na filosofia e mentalidade:

“Growth Hacking é o marketing orientado a experimentos.” (Sean Ellis, autor do livro Hacking Growth e criador do nome)

Growth Hacking não trata-se de um monte de truques e técnicas, como a maioria das listas coloca, mas sim um mindset que ajuda organizações digitais a crescerem através de testes e experimentos.

Assim como qualquer boa lista, eu reuni neste artigo 8 growth hacks para acelerar as vendas de qualquer negócio digital.

Contraditório?

Mas, para me diferenciar de qualquer boa lista eu preciso que você entenda:

Não tem milagre entre esses 8 Growth Hacks.

São técnicas que eu apliquei no meu negócio e na minha experiência como CMO em uma Startup de marketing.

Elas funcionaram pra mim da forma que as descrevi, mas você só vai saber como elas funcionam para você aplicando o seguinte processo de Growth Hacking:

  1. Você define muito bem o seu objetivo;
  2. Quebra ele em KPIs alcançáveis;
  3. Gera ideias baseadas nesses KPIs;
  4. Prioriza as ideias;
  5. Aplica as ideias;
  6. Analisa e otimiza as suas ideias aplicadas.

Nessa última fase, você cria, naturalmente, a sua própria lista de hacks de marketing e crescimento, ou seja, você começa a documentar o que funciona para o seu negócio.

E é assim que surgem os seus próprios marketing hacks.

Sem mais delongas, vamos aos 8 growth hacks para testar agora e acelerar o marketing e vendas de qualquer negócio digital!

#1 – Multiplique o seu conteúdo que já funcionou

Se você é o dono da empresa, provavelmente não está focado nessa ponta do seu negócio.

Marketing e Vendas acabam saindo da sua responsabilidade e prioridade, principalmente enquanto a empresa cresce.

Por isso, não é ideal gastar tempo pensando “que conteúdo eu vou criar hoje?”

Antes disso, repense:

“Como eu posso aproveitar o que eu já fiz extraindo o seu máximo?”

Essa é a técnica de multiplicação de conteúdo.

Essa tática consiste em procurar por tudo o que você já fez que te trouxe resultados, mesmo que pequenos, mas que tenham de alguma forma funcionado.

Por exemplo, se você for ao Google Analytics, clicar em “Comportamento”, depois em “Conteúdo do site” e por último em “Todas as Páginas”, verá uma lista das suas páginas com maior tráfego.growth hacks marketing e vendas

Esse é um workflow básico para encontrar o que funcionou, você também pode procurar por um vídeo muito visualizado, um Webinar ou eBook que converteu bem pra você.

Basicamente é ver o que funcionou no passado.

Depois você vai transformar esse conteúdo em um outro formato.

Um eBook bom pode ser quebrado em vários posts de blog.

Um post de blog bem acessado pode virar um PodCast ou um Vídeo.

Um bom artigo no LinkedIn pode ser replicado em vários e-mails.

E por aí vai.

Quando eu estava na Agência ZIG, fizemos uma atualização em um artigo simples de um de nossos clientes.

O post falava sobre cálculo de DSR sobre horas extras.

Adicionamos um vídeo nele e algumas fórmulas para facilitar o cálculo para a persona-alvo.

O resultado você pode ver no print abaixo:

growth hacks marketing e vendas 1
Esse é um comparativo do artigo de setembro para outubro de 2017.

#2 – Comece a praticar a “venda social”

Se você ainda não aproveita a sua rede de networking para vender, está perdendo o seu tempo.

O LinkedIn, por exemplo, é uma plataforma pouquíssima aproveitada no Brasil.

Uma grande referência no assunto é Josh Fechter, que escreveu um artigo em inglês sobre tráfego e engajamento no LinkedIn.

Mas, vamos voltar ao conceito de venda social (social selling):

O termo é relativamente novo e trata-se de usar o seu perfil em redes sociais para criar relações de confiança que podem se tornar vendas.

E não há página de negócios, Fanpage ou perfil empresarial que consiga fazer isso tão bem quanto uma figura pública.

A venda social divide-se em 4 pilares:

  1. Crie uma marca profissional: Trabalhe o seu perfil com seriedade, conecte-se à outras pessoas, interaja e gere valor real. Como empreendedor você naturalmente tem uma rede de contatos valiosa.
  2. Foque nos prospects corretos: Tenha em mente que tipo de problemas você resolve, então procure pelas pessoas que naturalmente sofrem com essas dores e conecte-se com elas.
  3. Engage entregando valor: Não adianta entrar em grupos para publicar links para os seus posts de blog, landing pages e outros materiais que naturalmente querem “capturar” os prospects. Entre para gerar valor, tente produzir algo que seja entregue de graça (de graça mesmo, não pode pedir o e-mail, em?!) e veja como as pessoas vão começar a te perceber nessas redes.
    1. Dica Extra: os conteúdos que você entregar nesses locais vão te dar grandes insights para o que você vai produzir lá fora. O que funciona no nicho, provavelmente vai funcionar lá fora.
  4. Construa fortes relações de confiança: Antes de você acertar o seu prospect com um direto faça vários “jabs”. Ou seja, trabalhe muito a relação de confiança e naturalmente as pessoas darão abertura para a sua abordagem. Em muitos casos, eles virão até você com uma abordagem inbound.

#3 – Aproveite a sua “venda social” para conseguir links

 

Além de te ajudar a conquistar novos clientes através de uma construção de links de confiança, você pode usar essa estratégia para atrair tráfego para o seu site.

Como sabemos, dos principais fatores de rankeamento do Google Orgânico os primeiros estão diretamente relacionados com a geração de links.

Mas, como usar a venda social para conseguir esses links?

Crie valor produzindo conteúdo autoral dentro do seu perfil.

Assim que conseguir criar relacionamento com grandes sites e portais, faça uma abordagem direta.

“Ei, eu posso fazer um guest post no seu site?”

Mas, lembre-se:

Se você exagerar nessa estratégia será penalizado se fizer uma estratégia de links baseada em conteúdo raso e ruim.

Seja relevante e depois peça links.

#4 – Faça Co-Marketing com grandes empresas

Faça parcerias com grandes empresas construindo e disseminando conteúdos altamente qualificados, investindo tanto no que será vendido quanto no que será publicado organicamente para conquistar o seu público-alvo.

Em suma:

Produza algum conteúdo e entre em contato com gerentes de marketing dessas empresas.

Ofereça o conteúdo e diga:

“Produzi isso pra gente. Está pronto, basta assinarmos e publicar”.

Depois disso crie landing page, e-mails e o que mais for necessário e publique a página do conteúdo e envie para a empresa novamente.

Eles vão compartilhar, você ganha tráfego gratuito e a grande empresa um conteúdo gratuito.

#5 – Crie um OnBoarding do seu produto e forneça um suporte impecável: em SaaS tudo é venda

 

Um processo de OnBoarding é uma saída esperta para desafogar processos e manter a sua venda nos trilhos.

O problema:

Parece muito complexo definir todo um processo de Onboarding, principalmente quando não sabemos como é a nossa curva de aprendizado.

A questão é que você precisa fazer um marketing ágil.

Então, quebre a sua curva de aprendizado em pequenos momentos e comece com coisas simples.

Uma sequência de e-mails ou um passo a passo após o primeiro contato com o seu produto.

Só se pergunte antes:

  • Qual foi o maior intervalo de tempo que um cliente seu demorou para aprender a usar o seu produto?
  • Qual foi o menor intervalo de tempo que um cliente seu demorou para aprender a usar o seu produto?
  • Quais são os gargalos do processo? Onde essas pessoas travam?

Vou dar um exemplo prático:

Em minha experiência com o BuzzLead, descobrimos que o usuário levava cerca de 1 mês para aprender o produto e colocá-lo para funcionar e mais 3 meses para descobrir todo o potencial.

Começamos com algo que não é escalável: uma consultoria e acompanhamento de implementação.

Isso nos ajudou a encontrar todos os gargalos que estamos transformando em automação de e-mails e tutoriais dentro do software.

Onboarding é um ponto essencial para a sua retenção.

Isso não deveria nem ser um “hack”, deveria estar no topo de toda TO-DO LIST.

#6 – Pense 40 vezes antes de ativar a sua maior fonte de aquisição: a indicação boca a boca.

Já que acabamos de falar de retenção e Onboarding, aí vai mais uma.

Existem alguns pontos extremamente importantes antes de você criar um programa de indicações.

Antes de qualquer coisa, se faça estas três perguntas:

Primeira: De 0 a 10, o quanto meus clientes me indicam?

Se a sua NPS for 9 ou 10, tudo bem, você estará pronto para pedir indicações.

Segunda: a cada 10 clientes seus, quantos te indicam sem você incentivar?

Se a resposta for 3 ou mais você está acima da média e já pode pedir indicações.

Uma pesquisa da Nielsen mostrou que apenas 3 em cada 10 clientes chegam a indicar, quando na verdade 8 estão dispostos, mas não são incentivados.

Terceira: o seu conteúdo é indicável?

Dica extra: perceba quando é o momento em que o seu cliente está mais feliz.

No BuzzLead, percebemos que entre o dia 20 e o dia 60 os resultados dos clientes alcançam um pico incrível.

É nesse momento que incentivamos ele a nos indicar.

Descubra esse momento em seu negócio e aproveite essa fonte de aquisição tão poderosa.

#7 – Lance novos produtos gratuitos

 

Lançar uma ferramenta grátis ou um produto novo em um formato gratuito pode ser muito rico para o seu processo de vendas.

Por que?

Você cria um valor tão grande com os seus prospects, pois mostra pra eles que você realmente entende as suas necessidades e dores.

Entende tanto que criou uma ferramenta complementar inteiramente grátis para resolver os seus problemas.

O valor disso é quase imensurável.

Veja um exemplo:

MOZ, uma empresa de tecnologia que oferece um Software para profissionais que estão fazendo SEO (Search Engine Optimization), lançou o Open Site Explorer, que permite que você analise e compare até 5 sites e as suas notas em SEO.

Isso ajuda o potencial cliente a entender o valor e funcionamento da ferramenta da MOZ e vai aumentar a chance de fechamento.

Em caso de infoprodutores, você pode lançar um workshop gratuito do seu produto.

Um “Essencials” do seu curso seria uma boa.

O efeito deve ser o mesmo.

#8 – Retargeting, retargeting everywhere

Marketing, mesmo digital, não é barato como muita gente vende.

Mas, existem formas de reduzir o seu custo e tornar o processo mais replicável e escalável.

Uma das principais técnicas é o remarketing.

Se a sua taxa de conversão no site é de 3%, por que você precisa buscar aumentar o seu tráfego de 1.000 para 2.000 usuários, quando na verdade você pode fazer com que 970 dos 1.000 cheguem a comprar o seu curso?

Você pode usar o remarketing de várias formas.

Um exemplo prático:

Antes de prosseguir, instale o pixel do Facebook no seu site para ontem.

Certo, agora vamos lá.

Crie um público personalizado no seu gerenciador de anúncios do Facebook, selecionando “Tráfego do Site” e marcando apenas a página de compras do seu produto.

growth hacks marketing e vendas 2

Para esse público você vai anunciar algum conteúdo de Meio de Funil.

Crie uma isca digital que esteja relacionada à palavra-chave da sua solução.

Na BuzzLead, nós criamos um eBook que explicava como criar um programa de indicações boca a boca, que é o nosso principal produto.

Certo, agora você vai fazer com que as pessoas que não converteram no seu produto se tornem os seus leads.

Extra: coloque o seu produto de novo na Página de Agradecimento do seu conteúdo.

Você pode fazer ainda mais:

Crie mais um público personalizado e adicione a Landing Page do seu conteúdo como página para remarketing.

Faça um anúncio com um conteúdo totalmente Topo de Funil.

Ou seja, se pergunte “Qual é o problema do meu prospect?”

Com isso, você pode criar uma planilha que o ajude a resolver esse problema, por exemplo.

Seguindo esses passos, você estará criando uma “cascata” de remarketing e provavelmente vai converter até 40% do público total da primeira página.

Um número que antes não passava de 3.

Agora é hora de aplicar os seus growth hacks

Lembre-se de criar um processo de Growth para você mesmo.

Essas dicas são só para te tirar da zona de conforto e começar a trabalhar o seu processo de Growth e gerar cada vez mais resultados para o crescimento do seu negócio.

Let’s Growth.