Quer se tornar um Growth Hacker de sucesso sem gastar um centavo? 8 dicas ninja pra não ter que comprar curso!

Tempo de leitura: 16 minutos

4.5 (90%) 2 vote[s]

Quando eu deixei de me apresentar como publicitário e comecei a falar que eu trabalho com Growth Hacking eu tive muita dificuldade de explicar que raios era isso.

Então, antes de começar a escrever este artigo eu fiz o dever de casa e trouxe uma definição clara de Growth Hacking pra nortear você que quer começar com Growth:

“Growth Hacking é um processo orientado a dados de experimentos em canais de marketing e vendas e desenvolvimento de produto, tendo em vista identificar formas repetíveis e exponenciais de crescimento” – Alguém na Wikipédia.

Essa não é a exata definição de growth hacking do Sean Ellis, o autor de Hacking Growth e pai do Growth Hacking.

No entanto, nos ajuda a ter uma visão muito clara do quão “sangue nos olhos” o Growth Hacker precisa ser.

Vou explicar cada ponto dessa descrição pra você ter ideia de onde está se metendo ao querer trabalhar com Growth Hacking.

Quer sair na frente? Comece um plano de GROWTH do absoluto zero com meu KIT GROWTH HACKING!

Growth Hacking é um processo:

Não adianta usar uma lista de growth hacks para simplesmente explodir em crescimento.

Isso te ajuda a identificar e ter ideias quando está sofrendo algum bloqueio criativo, mas o diferencial mesmo é criar um processo de Growth Hacking que seja baseado no seu objetivo e resultados-chave (OKRs).


Growth Hacking é orientado a dados:

“Go ROI or go home”. – Eu (eu acho)

Em um relatório de Growth ninguém vai reportar “alcance de marca” ou indicadores semelhantes.

O foco do Growth Hacker eficiente é sempre gerar retorno sobre o investimento, assim como as decisões que esse profissional de Growth toma sempre estão ligadas aos dados e nunca no “eu acho que”.

O Growth Hacker nunca sabe de nada. Repita esse mantra sempre.

Growth Hacking são experimentos em canais de marketing e vendas:

Um milhão de testes atrás de testes em vários canais de marketing.

Um growth hacker nunca vai colocar uma campanha de AdWords no ar e deixá-la sem revisão, otimização e melhoria por mais de 24 horas.

Se prepare:

A rotina de trabalho de um Growth Hacker envolve otimização, teste e experimentação atrás de experimentação.

É por isso que o foco na métrica que realmente importa é tão importante.

Growth Hacking são experimentos em desenvolvimento de produto:

O growth hacker não atua somente na aquisição de clientes.

O Funil de Growth é dividido em Aquisição, Ativação, Retenção, Receita e Indicação.

Esse é um exemplo de funil de growth hacking
Esse é um exemplo de funil de growth hacking

Como você pode imaginar, a retenção e indicação estão totalmente ligadas a uma experiência absurdamente boa com o produto.

Veja o caso do crescimento do DropBox, por exemplo.

As indicações foram o principal motor de crescimento, mas só foram possíveis depois da entrega de uma experiência e de um produto igualmente incríveis.

E um bom Growth Hacker tem noção de que precisa fazer isso também.

Mas, fique tranquilo:

Geralmente, um Growth Hacker vai focar em uma métrica de cada vez (o Brian Balfour indica que você comece pela Retenção neste artigo).

Growth Hacking tem como objetivo identificar formas repetíveis e exponenciais de crescimento:

A ação pode até ser boa, mas se na hora de priorizar e avaliar o resultado o ICE Score (Pontuação de Impacto, Confiança e Facilidade) e definir os melhores hacks a serem utilizados, ela precisa ser repetível e escalável.

O que significa isso?

Não adianta só ser boa, precisa ser colocada no “automático do crescimento”.

Contextualizando:

Se você produzir um artigo e o SEO for bem feito, ele vai gerar tráfego no “automático” por muito tempo.

Mas, existe outro mantra que todo Growth Hacker precisa repetir também:

Antes de tornar uma estratégia escalável e repetível, faça o que não é escalável em busca das melhores estratégias de Growth nas quais investir.

No vídeo a seguir, eu explico exatamente sobre o que são ações não escaláveis:

Vamos voltar ao motivo de você estar aqui:

Você quer saber como se tornar um Growth Hacker, mas não quer comprar um curso (nem tem tempo pra isso).

O que vou discutir neste artigo são 8 formas de se tornar um growth hacker antes de precisar comprar um curso para aprender tudo isso.

Antes de qualquer coisa, esteja ciente:

A mentalidade do Growth Hacker precisa ser muito focada na busca da multidisciplinaridade.

É estudo constante com pesquisas e mais pesquisas.

Em alguns momentos como Growth Hacker eu me peguei tendo que aprender o que um curso de 30 dias ensina em 15 minutos, pois a entrega precisava ser acelerada.

Em uma analogia simples, você vai escalar uma montanha no escuro com apenas uma lanterna (falhando) e que vai te mostrar só 3 passos à sua frente.

E quanto mais você aprender na prática, aplicando e testando, mais forte a sua lanterna vai ficar.

Então não adianta muita teoria, quando na verdade você precisa ter o seu próprio processo de Growth seja para a sua empresa ou para os seus clientes.

Sabe por quê?

Porque cada negócio vai encontrar o seu próprio framework de growth.

Eu fiz um vídeo sobre como eu faço um processo de growth, assista-o antes de seguir com o artigo:

Agora que você já entendeu o conceito por trás (parabéns, eu só fui entender depois de uns 4 meses fazendo), vamos mergulhar em 8 formas de aprender growth hacking antes de precisar de um curso.

#1 – Faça os seus líderes entenderem e comprarem a ideia do Growth Hacking;

Não há framework de growth hacking que funcione se a empresa onde você vai fazê-lo não concorda com o Growth.

Não só concordar, mas comprar e entender a ideia mesmo.

Da “tia do café” até o dono da empresa.

O risco de você fazer Growth sozinho é de duas semanas alguém te perguntar “por que não duplicamos as vendas ainda?”.

E o seu projeto de Growth é cancelado.

Outra coisa muito comum é que você comece o departamento de Growth na sua cabeça dentro do departamento de Marketing.

E como nós dois sabemos, o departamento de Marketing vive de demandas de última hora (e talvez de um pouco de ego da empresa).

E isso não pode atrapalhar o Growth.

Imagine só se você tiver uma burocracia inteira para testar a cor de um botão porque o dono da empresa acha “verde feio”?!

Tente fazer todos comprarem a ideia do Growth Hacking, comece devagar, mas comece.

#2 – Tenha (o máximo de) certeza de que o produto é bom e tenha market fit;

Growth hacking não significa nada em um produto que ninguém quer.

Não precisa ser perfeito, mas precisa ser bom

As pessoas precisam comprar e depois olhar e pensar “caraca, que bom negócio eu fiz.”

Pessoas compram por emoção e justificam com razão, então faça a razão ser real antes.

Por isso, que dificilmente você vai aplicar growth em uma empresa tradicional que não está muito focada em melhorar o produto.

Para descobrir se o produto é bom, faça uma pesquisa de NPS e alguns testes que mostrem que o produto é “must-have”, assim como diz Sean Ellis no Hacking Growth.

Mas, lembre-se: não existe produto totalmente perfeito (infelizmente).

Então não espere essa perfeição para começar a testar crescimento.

O meu primeiro case de Growth em parceria com a Agência ZIG foi em uma empresa tradicional e que provavelmente não possui Market Fit.

#3 – Defina como você vai trabalhar orientado a dados;

É bem comum um Growth Hacker começar aplicando alguns testes sem medir.

Tudo bem, cara. Ninguém vai te crucificar por isso.

Só de ter começado já está bom.

Mas, agora que você já gerou um primeiro sucesso como Growth (mesmo que um aumento de 1% na taxa de conversão da Landing Page), você precisa definir o framework de análise de dados.

O Growth é o marketing orientado a dados. Lembra?

Então responda três perguntas:

  • Como vou coletar dados?

Exemplos: Google Analytics, Kissmetrics etc.

  • Como vou documentar os dados?

Use uma planilha, não tem erro. Aqui você pode baixar um KIT GROWTH HACKING com quase todos os KPIs de Growth existentes.

  • Como você vai analisar os seus dados?

Eu tenho um checklist de sexta-feira de coisas para fazer antes do Happy Hour que se chama “Grooming semanal”.

É basicamente o que eu priorizo pra fazer na semana seguinte, de acordo com o ICE Score, que expliquei neste vídeo.

Se você não está familiarizado com o termo, sugiro que dê uma olhada no meu Infográfico sobre Agile Marketing.

Pra dar aquela força, aqui você pode baixar aqui meu checklist do Trello e adaptar para o seu caso.

#4 – Seja o seu próprio time de Growth;

O mundo ideal diz que vai ter um time totalmente focado em growth junto com você, isso seria muito bom.

Mas, não é a realidade

Muitas vezes você vai ser seu próprio time de growth: sozinho.

Em 2015, eu comecei a me tornar um growth hacker sem perceber.

Sabe como eu fiz isso?

Eu não tinha tempo nem dinheiro para comprar cursos, então eu fiz uma lista dos melhores sites e portais (a maioria em inglês).

Criei um gmail só para estudar e me inscrevi em todos os sites para receber conteúdo.

Planejei “sprints” (se você não está familiarizado com o termo ‘Sprint’ sugiro que leia este artigo sobre Marketing Ágil) de 90 dias de estudo.

Em 90 dias, eu precisava aprender de 3 a 5 novas habilidades baseadas no que um Growth Hacker precisa saber.

Na época eu recorri ao “The T-Shaped Marketer”.

Felizmente, a Growth Tribe já disponibilizou a versão atualizada de 2018:

O aprendizado em T que todo growth hacker precisa ter.
O aprendizado em T que todo growth hacker precisa ter.

A pirâmide invertida mostra:

Da esquerda para a direita o que você precisa aprender superficialmente, mas não ignorar.

De cima para baixo aquilo que você precisa ser um verdadeiro ninja do Growth Hacking.

Então se você quer um conselho, foque pelo menos em aprender Marketing de Conteúdo e Lifecycle Marketing.

Ah, e se você quiser a minha lista de sites que eu assinei em 2015 e leio até hoje basta clicar aqui.

#5 – Defina a sua métrica que realmente importa;

Você já escutou o termo OMTM?

Provavelmente não.

Eu só fui entender sobre isso depois de 2 anos fazendo growth sem saber o que estava fazendo.

Um Growth Hacker precisa ser obcecado por uma métrica que realmente importe.

A One Metric That (really) Matters.

É importante ter a sua métrica-chave, principalmente, porque focar na mais importante para o seu negócio significa dedicar a maior porcentagem do seu tempo em atividades que irão mexer com essa métrica.

Você evita perder tempo e ficar perdido no meio de tanta demanda.

Além disso, você corta o que não tem relevância.

Isso mesmo que você leu:

Ninguém liga no ramal do Growth Hacker às 17:59 pedindo um post para o Instagram.

Muito menos pede alteração às 20:59.

Eu tenho um checklist muito claro para definir as métricas que realmente importam para meu negócio e meus clientes.

Para acessar esse checklist basta clicar aqui.

Mas, antes tenha claro que você precisa quebrar muito o seu objetivo pra chegar nessa métrica.

É uma questão de quebrar as suas métricas e se perguntar quais são os alcançáveis diários para cada.

Para o meu site eu faço assim:

Se eu preciso de 400 visitas por semana, isso me faz ter que fazer 1 blogpost por semana, 3 posts no linkedin por semana, 1 guest post por semana e 1 eBook por mês, e assim vou avaliando essas métricas.

Depois de definir muito bem a métrica que você amará, como Romeu e Julieta se amaram, tenha claro como você vai mensurar.

Para ajudar você, eu tenho uma planilha de KPIs que tem a maioria das métricas de Growth baseadas no funil de Growth Hacking.

Para acessar a planilha de KPIs de Growth basta clicar aqui.

#6 – Procure e escolha as suas ferramentas de Growth (elas vão te ensinar muito);

Se você não sabe usar o Google Analytics, está de brincadeira aqui, só pode.

Brincadeiras à parte, mas é sério.

Um Growth Hacker sem ferramentas de Growth, incluindo monitoramento, conversão etc, é como uma Ferrari sem pneus.

Um bom profissional de Growth precisa ser como uma Startup: rápido e impecável.

Google Analytics, Sumo.me, BuzzLead, RD Station, Google Optimize, Trello e por aí vai.

Eu fiz uma lista de ferramentas (não necessariamente as melhores, mas as que eu já testei) de Growth que você pode acessar clicando aqui.

Basicamente você precisa de ferramentas de análise, testes AB, automação e conversão.

A maioria delas você usa de graça, então aproveite para testar.

Uma dica que me ajudou em todos os momentos da minha carreira: faça um blog.

Eu criei esse site e pude testar muita coisa antes de propor para meus clientes, também como CMO na BuzzLead.

Então quando algum CEO de empresa te perguntar em uma entrevista de emprego para um cargo de Growth “Qual é o seu maior feito de marketing que você mais se orgulha?” você vai ter o que dizer.

#7 – Comece a testar algumas ideias “deu a louca” mesmo;

Como eu falei no meu vídeo: faça coisas não escaláveis primeiro.

No coração do Growth Hacking está a frase:

“Growth Hacking é o marketing orientado a experimentos.” (Sean Ellis)

Pode ser que hoje você esteja em uma agência fazendo um trabalho super mecânico e cumprindo linha editorial.

Minha sugestão é: teste algo agora mesmo.

Reserve 30 minutos do seu dia para brincar de Growth Hacking: testar uma nova ferramenta, criar algo que fuja da linha editorial e testar.

Um bom Growth Hacker tem que saber “meter o louco”.

Essa frase é da Jana Ramos, a Head of Growth da Porto Seguro.

Quando eu estava em uma agência, com um cargo de Analista de Inbound Marketing, eu vivia testando.

Passava horas procurando por “brechas no funil” dos clientes.

Isso porque nem eram Startups ou empresas de tecnologia.

Meu primeiro case de Growth veio com uma distribuidora de peças para caminhões e outros veículos pesados, a JS Peças, enquanto estava na Agência ZIG.

Eu estava fazendo Inbound para o cliente e descobri que o atendimento rápido era a chave para o sucesso deles.

Comecei a rodar testes AB de conversão usando o Google Optimize semana após semana.

Além disso, eu quase forcei os consultores de vendas (não era um e-commerce, esqueci de te contar isso) a atenderem os meus leads.

Não foi nada fácil lidar com eles, diga-se de passagem.

Mas, como Growth Hacker que eu já era sem saber eu “meti o louco”.

Resultado:

No primeiro mês, o faturamento através do site foi de quase 8 mil reais.

E eu consigo provar isso em dados em um relatório de dois slides.

Por que?

Porque eu testei sem perguntar “posso, por favor, deixa?!”

#8 – Desenhe (em um papel mesmo com canetinha e tudo) o seu próprio processo de Growth Hacking:

Desenhar os seus próximos passos é a coisa mais valiosa que você vai levar pra vida, te garanto.

Olha essa foto:

rascunho do meu processo de growth hacking

Esse foi o primeiro esboço do meu processo de Growth Hacking, antes mesmo de criar meu infográfico sobre o assunto.

Toda vez que você fizer algo que parecer com o trabalho de um Growth Hacker: anote.

Eu ando pra todo lado com meu moleskine do RD Summit 2016.

Chamo ele de meu “grimório de combate do Growth Hacking”.

Lá eu devo ter mais de 300 Growth Hacks documentados, todos os que eu já testei e alguns que ainda não tive o prazer de testar.

Se não existe fórmula de bolo em Marketing, imagine só em Growth Hacking.

Procure desenvolver o seu próprio processo, busque alguns hacks na internet (têm 50 aqui, só baixar) e faça esforço também para criar os seus próprios hacks.

No vídeo a seguir, eu explico o meu processo para criar os meus marketing hacks:

]Depois é só correr para o abraço.

Mãos à obra, agora você se tornou um Growth Hacker.

Ok, não é tão fácil assim.

Mas, assim como eu acho que o Market Fit de um produto nunca será totalmente alcançado, também acho que ninguém é um profissional completo.

Então o lance mesmo é: Keep Learning.

Continue estudando e muito.

Uma dica de coração: aplique o Growth Hacking na sua carreira também.

Hackeie a sua vida, aprenda mais do que todo mundo e saia na frente.

Se você já leu até aqui, deve estar espumando para aplicar alguma técnica de Growth Hacking e ver se a parada é ou não pra você.

Acertei?

Então, toma!